StandWithUs

BRASIL

Nota de esclarecimento

29 de junho de 2020

O acordo entre os partidos Likud e Azul e Branco para formar um governo inclui uma cláusula altamente sensível sobre Israel aplicando soberania a uma parte da Cisjordânia (também conhecida como Judeia e Samaria). Esta se tornou uma questão mais polemica e calorosamente debatida em Israel ao longo do tempo, após décadas de líderes palestinos terem rejeitado os acordos de paz.

 

Como organização educacional não partidária de Israel, a StandWithUs respeita o processo democrático de Israel e não se posiciona sobre tais controvérsias sobre a política israelense.

 

Apoiamos Israel como um Estado judeu e democrático que vive em paz e segurança com seus vizinhos. Assim como fizemos durante a retirada unilateral de Israel de Gaza em 2005, continuaremos a educar sobre os fatos e os diferentes lados do argumento.

 

O acordo Likud-Azul e Branco afirma que a aplicação da soberania israelense exigiria uma votação no Knesset (parlamento de Israel) e apoio dos EUA. Tal medida também deve levar em conta os tratados de paz de Israel com a Jordânia e o Egito. Uma votação do Knesset sobre o assunto pode acontecer a partir de julho.

 

De acordo com um relatório do jornal The Times of Israel, "os EUA reconhecerão uma aplicação israelense de soberania sobre partes da Cisjordânia quando: a) o comitê conjunto de mapeamento EUA-Israel concluir seu trabalho; b) o governo israelense implemente o prazo de quatro anos para congelar [a construção de assentamentos] nas áreas destinadas a um futuro estado palestino e c) o governo concordaria formalmente em negociar com os palestinos ", com base nos termos do plano de paz da administração dos EUA para 2020.

 

O plano dos EUA exige que cerca de 30% da Cisjordânia se torne parte de Israel, em troca de porções significativas de terras israelenses perto da Cisjordânia e Gaza se tornando parte de um futuro Estado palestino. Uma equipe israelense e americana está trabalhando em um mapa detalhado com base nesses parâmetros.

 

Dadas as condições acima, não é garantido que a votação do Knesset em julho seja aprovada. Muitos do centro-direita à direita da política israelense certamente o apoiariam.

 

No entanto, alguns grupos à direita podem se opor ao congelamento de quatro anos na construção de assentamentos em certas áreas e ao acordo formal para negociar um futuro Estado palestino. Azul e Branco podem se opor à aplicação da soberania por completo, dependendo das circunstâncias. Esperamos que haja um debate cada vez mais vigoroso sobre essas questões entre os membros do Knesset e o público israelense no futuro.

 

Os que defendem a aplicação da soberania israelense, argumentam que o território em questão, particularmente o vale do Jordão, é essencial para a segurança de Israel. Especialistas em segurança nacional israelense apontam que as colinas da Cisjordânia (também conhecidas como Judeia e Samaria) têm vista direta para Tel Aviv, Aeroporto Ben Gurion, milhões de civis israelenses, principais centros econômicos e outras infraestruturas israelenses vitais.

 

Os defensores acreditam que o Hamas poderia assumir o controle como fizeram em Gaza e que Israel deve aplicar soberania para garantir que possa impedir qualquer contrabando futuro de armas pela Jordânia. Eles também argumentam que os judeus têm o direito de viver na Judeia e Samaria, o berço da civilização judaica, e não devem ser forçados a deixar suas casas (400.000 israelenses judeus atualmente vivem no território). De maneira mais ampla, muitos acreditam que Israel tem direito a esse território sob o direito internacional. Além disso, alguns dizem que a aplicação da soberania pressionaria os líderes palestinos a negociar um acordo de paz, porque envia uma mensagem de que o tempo não está do seu lado.

 

Os que se opõem a aplicação da soberania israelense argumentam que isso é equivalente à anexação, prejudica a segurança israelense e a posição internacional e põe em risco a sobrevivência de Israel como um estado judeu e democrático. Muitos líderes de segurança nacional israelenses e outros estão preocupados com o fato de a aplicação levar a um conflito renovado com o Hamas, encerrar qualquer esperança de um acordo de paz e causar o colapso da Autoridade Palestina, forçando Israel a assumir a responsabilidade pelas necessidades diárias de milhões de palestinos na região da Cisjordânia. Eles acreditam que Israel teria que corroer sua existência como Estado judeu, oferecendo cidadania, ou desistindo da democracia, dominando os palestinos sem fornecer o direito ao voto.

 

 Alguns sugerem que a anexação de um território limitado poderia ser justificada, mas somente após esforços contínuos para levar os líderes palestinos à mesa de negociações em torno do plano de paz dos EUA. Muitos oponentes também acreditam que a aplicação da lei israelense prejudicaria as relações de Israel com a Jordânia, o Egito e outros Estados árabes, levando a distúrbios populares que podem desestabilizar seus governos (particularmente na Jordânia, que tem uma grande população palestina). Além disso, eles argumentam que a aliança bipartidária de Israel com os EUA, o relacionamento com os judeus da diáspora e os laços com a Europa e outros Estados ao redor do mundo sofreriam significativamente como resultado de tal mudança.

 

A StandWithUs espera que qualquer decisão de Israel em relação a esse assunto leve a um futuro mais pacífico e próspero para todas os povos na região.

 

 

StandWithUs Brasil

EntreEmContato

StandWithUs

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

StandWithUs (SWU) is an international and non-partisan Israel education organization that inspires and educates people of all ages and backgrounds, challenges misinformation and fights antisemitism.

Fiscal Management: for the last seven years StandWithUs has obtained the highest possible ratings from two preeminent rating agencies:

GuideStar and Charity Navigator

© 2020 by StandWithUs

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon